Passageiros: análise sobre o filme

Na primeira semana do ano, estreou nos cinemas Passageiros (Passengers, 2017). Fui assistir, e deixo minhas impressões sobre o filme.

Passageiros: análise sobre o filme

Se você estivesse sozinho em uma ilha, soubesse que passaria a vida inteira por lá e tivesse a opção de levar alguém, quem levaria? Esse é um dos questionamentos levantados em Passageiros.

A ilha – nesse caso – é uma espaçonave gigante, viajando a 50% da velocidade da luz, rumo a um planeta muito distante, levando uma grande população – todos em estado de hibernação – para povoar esse novo planeta.

A viagem duraria nada menos que 120 anos, mas por uma falha, um dos passageiros, James Preston (Chris Pratt), é acordado bem antes do previsto – faltando 90 anos para chegar ao destino, e sem poder voltar para a hibernação. Se você estivesse nessa situação, o que faria?

Tendo um ‘mundo’ inteiro viajando pelo espaço ao seu dispor, James optou por uma companhia. Aurora Lane (Jennifer Lawrence) é uma jornalista e escritora, e teria a missão de viver um ano nesse novo planeta e voltar para a Terra, para contar a experiência. Aurora é acordada por James, e vivem um romance.

A ficção científica traz à luz, também, esse dilema: e se você tivesse sua vida destruída, encurtada por outra pessoa em nome apenas de uma paixão? E se você tivesse que escolher entre voltar ao estado de hibernação – tendo de volta essa opção – e viver esse amor até a morte certa, o que escolheria?

Passageiros tem o grande trunfo de mostrar situações interessantes pelo espaço, como uma caminhada espacial e a possibilidade de ver, com os próprios olhos, o que há no gigantesco Universo; passear por bem perto a uma estrela parecida com o nosso Sol; e os desafios da comunicação no espaço, com mensagem que vagam pelo infinito e escuro espaço sideral e tardam até serem recebidas na Terra.

Me impressionou, ainda, o filme ser interessante mesmo com poucos personagens. Além do casal, apenas Gus (Laurence Fishburne) e Arthur (Michael Sheen) estão entre no enxuto elenco durante todo o enredo.

No entanto, Passageiros faz o espectador sentir o peso de suas quase duas horas de duração, com a primeira metade bastante tediosa. Outro pecado, ao meu ver, é presumir viagens espaciais tão demoradas – embora eu entenda que, caso contrário, o roteiro não se sustentaria.

Ao fim, tendo um casal como protagonista, Passageiros escancara mais romance que ficção científica em si.

Leia outros destaques do Blog do Maurício Araya. Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário e enriqueça o debate. Siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, no Twitter, no Pinterest, no Instagram, LinkedIn e YouTube.

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais