Gasolina sobe 2,53% na primeira quinzena de setembro, e retoma patamar de março

Levantamento aponta aumento no preço do combustível no período em comparação com a média de agosto.


Gasolina sobe 2,53% na primeira quinzena de setembro, e retoma patamar de março

O preço médio da gasolina comum no Brasil subiu 2,53% na primeira quinzena de setembro de 2020, comparado ao mês anterior. O levantamento, feito pela ValeCard, empresa de meios de pagamento eletrônicos, mostra que, nas duas primeiras semanas de setembro, o preço médio da gasolina no Brasil foi de R$ 4,581 por litro; em agosto, o valor médio cobrado nos postos de todo o Brasil foi de R$ 4,468. Os dados foram obtidos por meio do registro das transações realizadas de 1º a 14 de setembro com o cartão de abastecimento da empresa em cerca de 20 mil estabelecimentos credenciados.

Com a elevação, o preço da gasolina retoma o mesmo patamar de março de 2020, no primeiro mês da pandemia de Covid-19, quando o valor médio era de R$ 4,598: o aumento reflete a retomada das atividades econômicas no Brasil.

A maior alta de preços na quinzena ocorreu no Distrito Federal (5,27%). Os únicos Estados a registrarem redução no valor do combustível no período foram Amapá (-1,56%), Bahia (-0,57%) e Piauí (-1,39%).

Rio Branco e Rio de Janeiro têm maiores preços nas capitais

Conforme o levantamento, Rio Branco (R$ 5,085), Rio de Janeiro (R$ 4,926) e Belém (R$ 4,914) tiveram os preços mais altos entre as capitais do Brasil na primeira quinzena de setembro.

Já Curitiba (R$ 4,107) e Salvador (R$ 4,186) registraram os valores mais baixos.

 

Leia outros destaques do Blog do Maurício Araya. Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário e enriqueça o debate. Siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, no Twitter, no Pinterest, no Instagram, LinkedIn e YouTube.

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais