Um ‘bagunçado’ viveiro de estrelas

A intensa atividade de NGC 5236 torna a região de formação de estrelas bastante confusa.

As milhares de estrelas recém-formadas no centro de NGC 5236 foram fotografadas com o instrumento Muse, conectado ao Very Large Telescope (VLT), do Observatório Europeu do Sul (ESO) no Observatório Paranal, no Chile.

Um viveiro ‘bagunçado’ de estrelas

Referida principalmente como a galáxia Cata-vento do Sul, NGC 5236, ou Messier 83, recebe seu nome comum por sua bela configuração de braço espiral e sua localização em uma constelação do hemisfério sul: Hidra. Regiões brilhantes de formação de estrelas iluminam esta galáxia, incluindo a região representada aqui, localizada no centro da galáxia.

Com as condições certas, e comumente dentro dos braços espirais de uma galáxia, nuvens moleculares frias compostas principalmente de gás hidrogênio podem colapsar e formar estrelas novas. Em nuvens maiores, a queima de uma nova estrela pode criar um efeito dominó, iniciando o colapso do gás circundante em ainda mais estrelas.

No centro de uma galáxia, no entanto, outros processos estão em jogo. O buraco negro supermassivo no centro de NGC 5236 canaliza vastos canais de material e matéria em sua direção; ao mesmo tempo, ele cospe matéria e grandes quantidades de energia para fora, tornando a enorme quantidade de formação de estrelas em torno da região central desta galáxia ainda mais confusa.

Foto: ESO/Timer Survey

Leia outros destaques do Blog do Maurício Araya. Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário e enriqueça o debate. Siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, no Twitter, no Pinterest, no Instagram, LinkedIn e YouTube.

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais