Free Fire: campeonato amador paga R$ 100 mil em prêmios

Mais que premiações, jogadores de todo o Brasil buscam uma janela para mostrar sua habilidade e, quem sabe, garantir uma vaga na elite do jogo.

Uma brincadeira on-line que se tornou possibilidade de carreira e um sonho esportivo: assim pode ser descrito o Free Fire, jogo criado pela Garena em 2017 que hoje já conta com mais de 100 milhões de usuários ativos. O game, que foi o mais baixado para dispositivos mobile em 2020, é um dos chamados eSports, jogos digitais que contam com ligas, federações, campeonatos oficiais e, claro, a possibilidade de se consolidar como um atleta e ganhar muito dinheiro com o que antes era só um hobby.

Com muitos atletas já tendo alcançado o nível profissional, jovens de todo o Brasil buscam nos campeonatos amadores uma chance de mostrar as habilidades e, quem sabe, conquistar uma vaga em uma das grandes equipes nacionais. Um exemplo disso é o Game Zone Cinesystem Free Fire, campeonato que começa no dia 14 de maio e vai reunir, virtualmente - uma boa notícia neste momento da pandemia, - participantes de todo o Brasil.

Free Fire: campeonato amador paga R$ 100 mil em prêmios

Organizado pela Cinesystem, que figura entre as maiores exibidoras do país, ele dará o equivalente a R$ 100 mil em prêmios para os vencedores. Mas mandar bem nas partidas vai muito além de qualquer lucro financeiro, como destaca Rayssa dos Santos da Rosa, consultora do Gamezone.

Os campeonatos amadores são um processo de construção na vida de cada um dos players atualmente, tanto no sentido de desenvolvimento do jogador, quanto na visibilidade. Muitos olheiros, coaches e líderes de organizações estão em busca de uma revelação para trazer para o seu time. E, para quem quer viver do game, esse é um ponto de partida relevante

A jovem, de 21 anos, começou no Free Fire em 2019 e contar a sua trajetória é também decifrar um pouco do dicionário próprio do jogo. Competindo profissionalmente como capitã de squad (grupo de até quatro pessoas em um mesmo time), jogando pelo celular, ela passou por diversas guildas (grupo de jogadores que jogam juntos com um objetivo em comum) e lines (uma forma diferente de denominar um squad), tanto femininas quanto mistas, até que, há 8 meses, começou a trabalhar como organizadora, consultora e negociadora de equipes e campeonatos.

Hoje um atleta profissional, que faz parte de algum time dentro do jogo, ganha salários de R$ 4 mil a R$ 12 mil. E essa não é a única possibilidade de renda para quem se torna famoso. Os chamados streamers, que transmitem as partidas disputadas ao vivo, podem ganhar ainda mais com anúncios, monetização de vídeos e parcerias. E será que tem audiência? Muita! Conteúdos relacionados ao jogo ficaram em quarto lugar dentre os assuntos mais assistidos no YouTube globalmente. Entre as regiões que mais assistem a esse conteúdo, estão o sudeste da Ásia, a Índia e o Brasil. 

Baixei o jogo em um momento muito pesado da minha vida, com a intenção de distrair a mente, e hoje vivo de um sonho que foi gerado dentro de um momento de crise. Acho que se eu pudesse dar um conselho ao meu 'eu' do início, diria: Tenha calma e não desista. Por que é quando menos se espera que as coisas acontecem

Para quem ficou interessado no Game Zone Cinesystem Free Fire, que começa este mês, as inscrições estão abertas e saem a R$ 39,90 por squad. Os prêmios incluem, além do valor em dinheiro, ingressos de cinema, combos de pipoca e uma vaga na próxima etapa do torneio, que deve se tornar parte do calendário permanente da Cinesystem, como comenta Samara Vilvert, gerente comercial da exibidora.

Temos a inovação e a busca por novas formas de entretenimento como missões prioritárias. Queremos sempre oferecer experiências incríveis, que vão muito além do filme, para cada um dos nossos clientes. E esse projeto é reflexo disso: uma chance para que os gamers de todo o país possam mostrar suas habilidades e se divertir

Game Zone Cinesystem Free Fire

Datas: 

  • 14 a 16 de maio - Eliminatórias;
  • 21 a 23 de maio - Classificatórias;
  • 28 a 30 de maio - Semifinal;
  • 4 a 6 de junho - Final.

Horário: Sextas (20h30), Sábados (18h) e Domingos (18h);

Pré-inscrições: https://www.cinesystem.com.br/gamezone/;

Preço: 39,90 por squad;

Transmissão: http://bit.ly/CinesystemCinemas e https://booyah.live

Prêmios:

  • 1ª colocada / Campeã: R$ 3,5 mil para o squad + Vaga para a próxima edição da Competição + 1 ano de cinema grátis para cada jogador, com pipoca, contado a partir da divulgação do resultado;
  • 2ª colocada / Vice-campeã: R$ 2,4 mil para o squad + Vaga para a próxima edição da Competição + 6 meses de cinema grátis para cada jogador, com pipoca, contado a partir da divulgação do resultado;
  • 3ª colocada: R$ 1,1 mil para o squad + Vaga para a próxima edição da Competição + 3 meses de cinema grátis para cada jogador, com pipoca, contado a partir da divulgação do resultado;
  • 4ª a 12ª colocadas: Vaga para a próxima edição da Competição + 1 par de ingressos com combo grande, contado a partir da divulgação do resultado.

Com informações da Cinesystem/Conteúdo Empresarial / Foto: Garena

Leia outros destaques do Blog do Maurício Araya. Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário e enriqueça o debate. Siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, no Twitter, no Pinterest, no Instagram, LinkedIn e YouTube.

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais