Dia dos Namorados: vendas ficarão 4% abaixo do nível de 2019, diz associação

Levantamento da Alshop revela expectativa de lojistas e comportamento dos consumidores durante a pandemia de covid.


Um levantamento da Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings (Alshop), com dados fornecidos pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) sobre o Dia dos Namorados no comércio, aponta que as vendas em 2021 devem ficar 4% abaixo do patamar de 2019, regredindo pouco mais de dois anos em faturamento esperado nas lojas. 

Apesar do número, quando comparado com 2020, quando quase todo o comércio estava fechado em junho, a expectativa de crescimento é de 29,4%: assim, as vendas devem chegar neste ano a R$ 1,8 bilhão.

Dia dos Namorados: vendas ficarão 4% abaixo do nível de 2019, diz associação

"Após o ano de 2020, aprendemos muito com a pandemia e mesmo neste cenário, vemos uma boa expectativa econômica com a sexta revisão de aumento do PIB para este ano e 1,2% de elevação no primeiro trimestre o que certamente é uma boa surpresa.", explica Nabil Sahyoun, presidente da Alshop.

Para a data, o comércio se prepara para receber o público, lojas já iniciaram ações comerciais e promoções investindo em divulgação e propaganda para aumentar as vendas no período. Neste ano, boa parte das lojas de shopping estão abertas ainda que em horário sensivelmente reduzido e com capacidade limitada.

Itens mais procurados

Segundo o levantamento, os itens mais procurados nesta data serão vestuário feminino e masculino, moda íntima, artigos para dormir, maquiagem e cosméticos, calçados e acessórios, chocolates e flores. Os itens eletrônicos, antes campeões de vendas, ficam em segundo plano como os smartphones impactados pela alta do dólar.

Cerca de 50% dos consumidores pretendem comprar algum presente nesta data em todo o Brasil. E, destes, 60% pretende gastar entre R$ 50 e R$ 200 até o 12 de Junho. Outros 20% pretendem consumir mais do que R$ 200 nesta data, enquanto a minoria irá comprar algo com valor inferior a R$ 50.

"A expectativa do setor subiu ainda mais quando começamos a ver um movimento para volta do funcionamento por 12 horas diárias. Independente disso, entendemos que os lojistas estão cautelosos com esse momento de reabertura enquanto avançamos lentamente com os números da pandemia, mas seguimos confiantes no processo de vacinação e aplicamos protocolos rígidos nas lojas de shopping que vem se destacando como ambientes seguros de compra e de serviços aos consumidores", comenta Sahyoun.

Presencial x internet

O levantamento mostra ainda que 60% dos lojistas afirmam que seus clientes irão usar meios online como alternativa de compra. Como em algumas cidades do país o comércio físico como shoppings, restaurantes e lojas de rua ainda se mantém fechado por decretos municipais devido à sobrecarga no sistema de saúde, muitos lojistas investiram em soluções de e-commerce, canais próprios e marketplaces, que se adaptaram e evoluíram rapidamente no comércio eletrônico.

Manifesto pela reabertura do comércio

A Alshop e a Associação Brasileira de Shoppings Centers (Abrasce), em conjunto com 101 entidades, divulgaram  um manifesto pedindo a igualdade do comércio com os outros setores da economia que funcionaram sem restrições em meio à pandemia de covid

O manifesto pede reabertura imediata sem restrições do comércio obedecendo aos protocolos já validados pelas autoridades, isenção de parte dos tributos, além de ampliação de linhas de crédito, pois as perdas se acumulam em mais de R$ 90 bilhões em vendas. Desde o início da pandemia, 110 mil empregos foram extintos e 12 mil lojas de shoppings fecharam definitivamente por todo o país.

"O abre-e-fecha e as restrições de horário impactam na geração de renda e tiram o melhor programa social que existe, que é o emprego, especialmente, o emprego de qualidade com carteira assinada gerado no comércio. Esperamos que não haja retrocesso, pois precisamos trabalhar e permanecer funcionando com todos os cuidados aplicados especialmente nas lojas de shopping", finaliza, Nabil Sahyoun.

Com informações da CQuatro Comunicação

Leia outros destaques do Blog do Maurício Araya. Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário e enriqueça o debate. Siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, no Twitter, no Pinterest, no Instagram, LinkedIn e YouTube.

Continua após a publicidade

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais

Assista aos vídeos do canal no YouTube
Siga o Canal do Maurício Araya no YouTube
Ouça o podcast Em Resumo

Gostou do conteúdo? Então deixe sua opinião sobre o assunto. Seu comentário é muito importante para enriquecer o debate.

Parceiros

GeraLinks - Agregador de links Uêba - Os Melhores Links Vagando na Net #RadarMA
Tecnologia do Blogger.