Verificador de vazamentos mostra a empresas se dados já foram vazados

Gratuito, acessível e intuitivo até para pequenas companhias, novo verificador é uma resposta ao aumento de vazamentos de dados corporativos.

Cada vez mais agressivos e frequentes no Brasil, os crimes de sequestro e vazamentos de dados já representam um alerta de segurança importante para empresas de todos os tamanhos e segmentos. Uma ferramenta gratuita elaborada pela PSafe, unidade de cibersegurança do grupo CyberLabs, quer ajudar essas empresas a consultarem se seus dados foram expostos na internet.

Trata-se do Verificador de vazamentos, solução que faz parte serviço de segurança empresarial da PSafe, o dfndr enterprise, que utiliza técnicas de inteligência artificial para detectar dados entre as mais de 15 bilhões de credenciais vazadas na internet. Ao adicionar seu e-mail corporativo, o colaborador da empresa recebe, em segundos, um relatório sobre quantos vazamentos relacionados àquele domínio foram detectados na dark web, deep web e internet aberta. A análise automática feita pela ferramenta é complementada por um monitoramento manual, realizado por especialistas em cibersegurança infiltrados em fóruns da dark web e deep web.

Verificador de vazamentos: ferramenta mostra a empresas se dados já foram vazados

"Não basta incentivar que os empreendedores se preocupem com a própria cibersegurança, se não tornamos essa realidade acessível a eles. O Verificador de vazamentos surge para que todos os micro, pequenos e médios empresários possam checar se já tiveram seus dados expostos, sem a necessidade de fazer grandes investimentos. Sabemos o quanto este tema pode ser complexo e distante da realidade de muitas empresas, mas a certeza é que não pode ser negligenciado", diz Marco DeMello, CEO da PSafe.

Para a empresa, o contexto da pandemia de covid que levou ao home office deixou os organizações e seus funcionários mais expostas a esses ataques. O comportamento dessas organizações e seus colaboradores na rede merece atenção. "Cadastrar o e-mail corporativo em um site não confiável, utilizar senhas fracas ou senhas de fábrica, usar softwares ou sistemas operacionais desatualizados e má configuração de um roteador wi-fi ou rede cabeada são alguns exemplos comuns do cenário de home office", pontua DeMello.

Para usar a ferramenta, basta criar uma conta gratuita no dfndr enterprise, realizar uma etapa de segurança de validação de domínio e acessar detalhes das fontes do vazamento, a qual categoria pertencem (telefone, e-mail, senha, CPF, endereço, entre outros) e quais colaboradores foram alvos.

Com informações da DC Comunicação

Leia outros destaques do Blog do Maurício Araya. Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário e enriqueça o debate. Siga o Blog do Maurício Araya no Facebook, no Twitter, no Pinterest, no Instagram, LinkedIn e YouTube.

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais