Onda gigante quebra recorde na costa do Canadá

É o equivalente a um prédio de quatro andares; vagalhão, como é conhecido o fenômeno, é imprevisível e perigoso aos navios.

Uma onda anormalmente grande, medindo 17,6 metros de altura - o equivalente a um prédio de quatro andares -, foi registrada na costa da ilha de Vancouver - costa do Pacífico do Canadá - , quebrou um recorde de magnitude, algo que tem probabilidade de acontecer uma vez a cada 1,3 mil anos. O vagalhão, como é conhecida essa onda específica, é imprevisível, pode se formar de modo súbito, e são extremamente perigosas para navios.

Apesar de ter sido registrado em novembro de 2020, o evento só se tornou público este mês, após ser divulgado em estudo de pesquisadores da Universidade de Victoria, publicado na revista Nature. A onda gigante chamou a atenção da comunidade científica não pelo tamanho em si, mas pelo vagalhão ser proporcionalmente o mais extremo já registrado.

Onda gigante quebra recorde na costa do Canadá

Uma boia da empresa MarineLabs mediu a onda, o que ajudou a desmistificar o fenômeno: por décadas, os vagalhões eram considerados um 'folclore marinho'. A empresa produziu uma simulação em vídeo com os dados da boia.

O fenômeno, no entanto, não deve ser confundido com tsunami: apesar de ambos sejam conhecidos por formações de ondas gigantes, o modo como elas são produzidas é totalmente distinto. Os vagalhões são criados a partir da força dos ventos; já os tsunamis são produzidos, mais comumente, a partir de um deslocamento d'água causado por um terremoto em águas profundas.

Animação: MarineLabs Data Systems

Leia outros destaques do Blog do Maurício Araya. Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário. Siga o Blog do Maurício Araya no Twitter, Facebook, Pinterest, TikTok, Instagram, LinkedIn e YouTube.


Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais