Festival Hors Pistes entra no último mês de exibição

Nova dupla de artistas expõe no festival: Diego Ramos e Seumboy Vrainom :€; visitação é gratuita até o dia 2 de abril.

Em cartaz no Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM), o Festival Hors Pistes - A Ecologia das Imagens entra em seu último mês de exibição recebendo duas novas obras: Tela, de Diego Ramos, e Manono, Telas para estetizar a miséria, de Seumboy Vrainom :€.

A obra Tela, de Diego Ramos, é uma montagem de três tempos diferentes de uma mesma viagem. Utilizando o recurso do looping, o vídeo evidencia a longa duração de jornadas de deslocamento da população que se utiliza do transporte público em São Paulo. A paisagem na janela, o anseio pela espera, o som do trem sobre os trilhos e do marreteiro trabalhando testemunham um fragmento da rotina da cidade e de seus moradores. Artista visual e historiador, Diego é radicado em São Paulo e concentra sua pesquisa em audiovisual no cinema experimental, videoarte e patrimônio cultural.

Festival Hors Pistes entra no último mês de exibição

Por meio de uma prática do desvio de imagens recolhidas online, montagens em fundo verde e louvores digitais, Seumboy Vrainom :€ destaca em sua obra as relações persistentes de dominação racista e colonial do mundo em que vivemos. Manono, Telas para estetizar a miséria é resultado de uma composição de imagens promocionais para smartphones e reportagens sobre relações de trabalho na República Democrática do Congo. Apontando a semelhança estética entre essas duas categorias de imagens, uma feita para promover, outra para denunciar, Seumboy Vrainom :€ interroga nossa relação ambivalente com as telas sobre um fundo de crítica da história colonial.

O Festival Hors Pistes - A ecologia das imagens é um festival de todas as formas de imagem, que reúne criações de diferentes linguagens: projeção, performance, instalação de vídeo etc. Ele apresenta obras visuais internacionais que exploram o mundo em que vivemos e evidencia a interação sempre crescente entre o cinema e os outros campos artísticos. Criado pelo Centro Pompidou em 2006, o festival está em São Luís desde dezembro de 2021, numa parceria com o CCVM e o Instituto Francês.

A visitação é gratuita até o dia 2 de abril. O CCVM fica na avenida Henrique Leal, nº 149, no Centro de São Luís, e está aberto de terça-feira a sábado, das 10h às 13h e das 14h às 19h, seguindo os protocolos contra a pandemia de covid.

Com informações e foto do CCVM

Leia outros destaques do Blog do Maurício Araya. Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário. Siga o Blog do Maurício Araya no Twitter, Facebook, Pinterest, TikTok, Instagram, LinkedIn e YouTube.


Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais