Hubble destaca ‘olho’ de galáxia distante

Registro do Hubble revela toda a complexidade da teia de estrelas e poeira no centro da galáxia NGC 1097, na constelação de Fornax (Fornalha).

Esta imagem detalhada mostra o coração de NGC 1097, uma galáxia espiral barrada que fica a cerca de 48 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Fornax (Fornalha), e revela a complexidade da teia de estrelas e poeira no centro dela, com os longos 'tentáculos' de poeira destacados em um tom vermelho escuro.

A extensão em que a estrutura da galáxia é revelada é graças a dois instrumentos no telescópio espacial Hubble: a Wide Field Camera 3 (WFC3) e a Advanced Camera for Surveys (ACS). A ideia de que uma única imagem pode ser tirada usando duas câmeras diferentes não é muito intuitiva. No entanto, faz muito mais sentido depois de investigar como belas imagens astronômicas como esta são compostas.

NGC 1097, galáxia espiral barrada a cerca de 48 milhões de anos-luz da Terra, na constelação de Fornax (Fornalha)

Um ponto de partida útil é considerar o que é exatamente a cor: nossos olhos podem detectar ondas de luz em comprimentos de onda ópticos entre aproximadamente 380 e 750 nanômetros, usando três tipos de receptores, cada um dos quais é sensível a apenas uma fatia desse intervalo. Nosso cérebro interpreta esses comprimentos de onda específicos como cores. Por outro lado, uma câmera de telescópio como a WFC3 ou ACS é sensível a uma única e ampla faixa de comprimentos de onda para maximizar a quantidade de luz coletada. As imagens brutas dos telescópios estão sempre em escala de cinza, mostrando apenas a quantidade de luz capturada em todos esses comprimentos de onda.

Imagens coloridas de telescópios são indiretamente possíveis, no entanto, com a ajuda de filtros. Ao deslizar um filtro sobre a abertura de um instrumento como o WFC3 ou ACS, apenas a luz de uma faixa de comprimento de onda muito específica é deixada passar - um desses filtros usados nesta imagem é para luz verde em torno de 555 nanômetros. Isso produz uma imagem em escala de cinza mostrando apenas a quantidade de luz com esse comprimento de onda.

A imagem multicolorida do NGC 1097 é composta por imagens usando sete filtros diferentes no total.

Foto: ESA/Hubble & Nasa, D. Sand, K. Sheth

Leia outros destaques do Blog do Maurício Araya. Gostou do conteúdo? Deixe seu comentário. Siga o Blog do Maurício Araya no Twitter, Facebook, Pinterest, TikTok, Instagram, LinkedIn e YouTube.


Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais