Ambicioso programa quer produzir energia a partir do Espaço

Desafio é gigante, mas estudos mostraram que o conceito de energia solar baseada no Espaço é teoricamente viável, e requer soluções sem precedentes.

O Sol nunca para de brilhar no Espaço, e a luz do sol é muito mais intensa lá do que na superfície da Terra. E se pudéssemos reunir essa energia no Espaço e enviá-la para a Terra? Estudos recentes financiados pela agência espacial europeia (ESA) mostraram que o conceito, chamado de energia solar baseada no Espaço, é teoricamente viável e pode apoiar o caminho para a descarbonização do setor de energia elétrica.

Incertezas e desafios técnicos significativos, no entanto, ainda persistem, e a ESA segue desenvolvendo um programa, o Solaris, para amadurecer o conceito e suas tecnologias críticas para as próximas décadas. O desafio é gigante, mas merece soluções igualmente inusitadas, como defendeu o diretor da Agência Internacional de Energia (IEA), Fatih Birol, em um artigo do Financial Times.

Nada menos que uma transformação total de nossa infraestrutura de energia é necessária - um empreendimento mundial de velocidade e escala sem precedentes... Quase metade dos cortes de emissões necessários para nos levar a um caminho para o zero líquido até 2050 pode precisar vir de tecnologias que ainda não estão no mercado

No contexto mais amplo de uma transição energética, que deve custar trilhões de euros segundo estimativas da IEA, uma variedade de fontes alternativas estão em estudo, incluindo a geotérmica e, a longo prazo, a fusão nuclear. O programa Solaris vai ajudar a decidir se é viável adicionar energia solar baseada no Espaço - um conceito de décadas para fornecer energia limpa - a esta lista de trabalho.

Ambicioso programa quer produzir energia a partir do Espaço
Ambicioso programa quer produzir energia a partir do Espaço
Pixabay

Como funciona a energia solar baseada no Espaço

Satélites de energia solar em órbita geoestacionária colheriam a luz solar 24 horas por dia, sete dias por semana, e a converteriam em micro-ondas de baixa densidade de energia para transmitir com segurança para estações receptoras na Terra. A física envolvida significa que esses satélites teriam que ser grandes, da ordem de vários quilômetros de tamanho, e o mesmo vale para as 'rectenas' coletadas na superfície da Terra.

Isso, por sua vez, exigiria avanços técnicos em áreas como fabricação no Espaço e montagem robótica, energia fotovoltaica de alta eficiência, eletrônica de alta potência e formação de feixe de radiofrequência. Outras pesquisas para confirmar os efeitos benignos das micro-ondas de baixa potência na saúde humana e animal e na compatibilidade com aeronaves e satélites também seriam realizadas.

"Esses são os tipos de questões técnicas que o Solaris analisará, para explorar ainda mais a viabilidade do conceito, para que a Europa possa tomar uma decisão informada em 2025 sobre a possibilidade de prosseguir com um programa de energia solar baseado no Espaço no futuro", diz Sanjay Vijendran, líder da ESA para o Solaris. E como vantagem adicional da energia solar baseada no Espaço, quaisquer avanços alcançados nesse setor serão valiosos e aplicáveis a muitos outros empreendimentos de voos espaciais.

A proposta chega em um momento em que o interesse global pela energia solar baseada no Espaço está no auge, e com demonstrações em órbita sendo preparadas pelos Estados Unidos, China e Japão.

Com informações da ESA

Gostou do conteúdo do Blog do Maurício Araya? Leia nossos outros destaques. Contribua com o debate: deixe seu comentário. E siga acompanhando tudo o que é publicado aqui por meio do Google Notícias, Twitter, Facebook, Pinterest, TikTok, Instagram, LinkedIn e YouTube.



Siga nas redes sociais

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais