Copernicus Sentinel-2 revela Santiago vista do espaço

Satélite explora capital e maior cidade do Chile, situada no centro do vale central do país, onde vivem cerca de 8 milhões de pessoas.

A missão Copernicus Sentinel-2 capturou uma incrível imagem de Santiago, capital e maior cidade do Chile. Santiago fica no centro da região mais densamente povoada do Chile, a Região Metropolitana de Santiago, com uma população de cerca de 8 milhões, dos quais 5 milhões vivem na área urbana da cidade, espalhada por mais de 600 km², com a maior parte da cidade situada entre 500 a 650 metros acima do nível médio do mar.

O clima de Santiago lembra o clima mediterrâneo com verões secos e quentes com temperaturas que chegam a 35°C (de outubro a março) e invernos frios e úmidos que podem cair até 0°C (de abril a setembro). A cidade fica no centro do vale central do país, a cerca de 80 km do Oceano Pacífico a oeste e faz fronteira com a Argentina a leste. Uma pequena parte da Argentina é visível no canto superior direito da imagem, onde o cume da Cordilheira dos Andes atua como divisor entre os dois países.

Copernicus Sentinel-2 revela Santiago vista do espaço
Satélite explora cidade no centro do vale central do Chile, onde vivem cerca de 8 milhões de pessoas - explore a imagem em altíssima qualidade
Copernicus Sentinel/ESA

Cerro El Plomo, com 5,42 mil metros, é o maior pico de montanha visível de Santiago em dias claros. Existem muitos resorts de esqui nas montanhas cobertas de neve, bem como mirantes que oferecem vistas espetaculares de Santiago. O rio Maipo corre ao sul da cidade vindo das montanhas e é o principal rio que atravessa a Região Metropolitana de Santiago e a Região Valparaíso do Chile. O rio Maipo é de longe a principal fonte de irrigação e água potável para a região. O rio Mapocho, que atravessa o centro de Santiago, é um de seus afluentes.

No topo da imagem, está a mina de cobre Los Bronces e representa uma das maiores reservas de cobre do Chile. A Geleira Paloma fica ao sul dela. Las Tórtolas, visível na parte superior da imagem, é um lago artificial usado para processar o minério de cobre que vem de Los Bronces por meio de uma extensa rede de tubos.

Os dados do Copernicus Sentinel-2 não são usados apenas para monitorar o crescimento das plantas, mas também para mapear as mudanças na cobertura da terra e monitorar as florestas do mundo, bem como as águas interiores e costeiras. A missão é baseada em uma constelação de dois satélites idênticos na mesma órbita, separados por 180° para uma ótima cobertura e entrega de dados. Juntos, eles cobrem todas as superfícies terrestres da Terra, grandes ilhas, águas interiores e costeiras a cada cinco dias no equador.

Com informações da Agência Espacial Europeia

Gostou do conteúdo do Blog do Maurício Araya? Leia nossos outros destaques. Contribua com o debate: deixe seu comentário. E siga acompanhando tudo o que é publicado aqui por meio do Google Notícias, Twitter, Facebook, Pinterest, TikTok, Instagram, LinkedIn e YouTube.



Siga nas redes sociais

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais