Conheça áreas mais lucrativas para empreender em 2023

Especialista em gestão, empreendedorismo, recrutamento e seleção, dá dicas para novos negócios.

Quem deseja começar o ano de 2023 empreendendo pode apostar em segmentos lucrativos como deliveries, vendas on-line, inteligências artificiais em geral, áreas de cobranças e educação. A aposta é do professor da Estácio, Flávio Guimarães, especialista em gestão, empreendedorismo, recrutamento e seleção. Para ele, todos estes setores estiveram em crescimento no ano de 2022 e devem seguir com mais crescimento, demandas e lucros no ano que se inicia.

Questionado sobre por onde começar a empreender, Flávio argumenta que a principal mentalidade a ter, quando se deseja empreender é a crença que é possível empreender e lucrar no Brasil. "Creia, sonhe, trace plano e veja se tornar realidade", motiva o especialista.

Conheça áreas mais lucrativas para empreender em 2023
Home office é uma das opções para quem não deseja se arriscar, mas quer apostar em setor lucrativo
Vlada Karpovich/Pexels

Em termos técnicos, ele comenta que além da positividade é necessário, ainda, elaborar planos de negócios que vai apresentar uma margem da certeza se o segmento é bom ou se tende a melhorar. "Obter esse tipo de planejamento nos traz uma porcentagem de 80% a 90% de viabilidade de qualquer negócio", explica o especialista da Estácio.

Buscar orientações em órgãos como Sebrae [Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas] e consultorias particulares podem impactar positivamente qualquer negócio desde o início

Para quem não quer arriscar em novos ramos, Guimarães orienta a investir em segmentos que já se mostraram lucrativos desde a pandemia, como é o caso da construção civil; funções de teletrabalho, em que o funcionários podem ficar em sistema híbrido, trabalhar parte em casa e parte no escritório; telemedicina; petshops e as empresas de painéis solares. "Este último tem movimentado muito o mercado, por conta dos constantes aumentos na tarifa da energia elétrica", acrescenta.

"Então, para quem não deseja arriscar numa nova, pode investir nesses segmentos que já estavam em pleno crescimento desde a pandemia", disse o professor.

Emprestar dinheiro ou ser sócio?

No entendimento de Flávio Guimarães, quem ainda está em dúvida entre emprestar dinheiro ou constituir sociedade para o negócio, é fundamental analisar se os juros são justos e se o possível sócio tem ou teve experiência em negócios e negociações. "Neste momento, todos os riscos devem ser analisados. Isso porque, ou o novo empreendedor precisará de um empréstimo ou de alguém para viabilizar o empreendimento", concluiu.

Com informações da assessoria/Cores Comunicação

Gostou do conteúdo do Blog do Maurício Araya? Leia outros destaques do blog. Contribua com o debate: deixe seu comentário. E siga acompanhando tudo o que é publicado por meio do Google Notícias, Mastodon, Twitter, Facebook, Pinterest, TikTok, Instagram, LinkedIn e YouTube.



Siga nas redes sociais

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais