Fracassa tentativa de lançar foguete HANBIT-TLV de Alcântara

Foguete HANBIT-TLV, desenvolvido pela Innospace, levaria carga útil brasileira em seu voo de teste: um sistema de navegação inercial.

Fracassou a primeira tentativa da empresa sul-coreana Innospace de lançar o foguete HANBIT-TLV a partir do Centro Espacial de Alcântara (CEA), no Maranhão. O lançamento ocorreria entre as 6h e as 8h desta quarta-feira (21) - no fim do período de condições mais favoráveis conhecido como janela de lançamento -, após dois imprevistos: na segunda-feira (19), foi adiado por causa das condições climáticas desfavoráveis; na terça-feira (20), um problema técnico, relacionado a uma bomba de resfriamento do foguete, obrigou a equipe a adiar o lançamento pela segunda vez.

Durante uma transmissão ao vivo, o projeto Ilha da Ciência, da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), flagrou fumaça na torre de lançamento. Pela manhã, a Agência Espacial Brasileira (AEB) esclareceu que "houve falha no acendimento do motor do HANBIT-TLV, que impediu a decolagem". "Com toda a segurança, a operação foi abortada, sem qualquer incidente", acrescentou. Com o fim da janela de lançamento, as equipes foram desmobilizadas.

Fracassa tentativa de lançar foguete HANBIT-TLV de Alcântara
Fracassa tentativa de lançar foguete HANBIT-TLV de Alcântara

Ainda segundo a AEB, a Innospace vai analisar os dados colhidos na missão, já que o tipo de propulsão híbrida é inédito, e impõe novos desafios, como o presidente da instituição, Carlos Moura.

A astronáutica é plena de desafios, e seus avanços ocorrem graças ao obstinado trabalho de profissionais dedicados e instituições que se superam. Cada operação de lançamento nos ensina muito sobre equipamentos, procedimentos operacionais, segurança e desempenho. Portanto, o mais importante, no momento, é recuperar todas as informações, aprender com os testes em ambiente real e partir para novas séries de testes, até alcançar o sucesso completo. É assim que se avança. É assim que havemos de prosseguir

Pelo Twitter, a Força Aérea Brasileira (FAB) informou que "uma questão de ordem técnica impediu a realização do lançamento experimental do foguete HANBIT-TLV", e que "os profissionais da empresa sul-coreana Innospace já estão conduzindo uma avaliação técnica detalhada para que o problema seja sanado e, com segurança, o lançamento possa ser efetuado em data a ser definida".

Até a atualização mais recente da reportagem, a Innospace não se pronunciou sobre o assunto. Agora, é mais provável que ocorra somente em 2023.

O foguete HANBIT-TLV

Com 16,3 metros de altura e pesando 9,2 toneladas, o foguete HANBIT-TLV levaria a bordo um sistema de navegação inercial desenvolvido pelo Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA). Segundo o DCTA, a tecnologia brasileira não é acessível aos sul-coreanos, assim como a tecnologia sul-coreana não é acessível aos brasileiros, respeitando o acordo de salvaguarda tecnológica que permite lançamentos comerciais no CEA.

De acordo com a Innospace, o HANBIT-TLV é capaz de alcançar a velocidade máxima de 4,6 mil km/h, e apogeu, ou seja, altitude máxima que um foguete atinge, estimada entre 80 km e 100 km. Nessa missão, com o voo suborbital, o objetivo era validar o motor do primeiro estágio. Quando estiver qualificado, o foguete será capaz de carregar carga útil de até 50 kg, levando experimentos tecnológicos e científicos para ambiente de microgravidade.

Foguete HANBIT-TLV
Foguete HANBIT-TLV
Sgt. Petherson/DCTA

Seus motores não são tóxicos e nem explosivos: o modelo - que usa tecnologia de propulsão híbrida, mais acessível em termos de custo e tempo de produção - usa propulsores à base de oxigênio líquido e parafina, com um sistema patenteado de alimentação por bomba elétrica, oferecendo uma composição química estável. Com isso, não há impacto ambiental, já que gases emitidos se dissipam rapidamente na atmosfera durante o voo, garante a fabricante.

Sem internet, sem transmissão ao vivo

Havia uma grande expectativa do público brasileiro pela transmissão ao vivo do lançamento do foguete HANBIT-TLV a partir do centro de lançamento no Brasil, que foi frustrada por um motivo, no mínimo, contraditório.

"Devido ao acesso limitado à rede em uma base militar, infelizmente não será possível (a transmissão ao vivo do lançamento)", publicou a Innospace em seu perfil no Twitter na última quinta-feira (15).

Reportagem atualizada às 10h44.

Gostou do conteúdo do Blog do Maurício Araya? Leia outros destaques do blog. Contribua com o debate: deixe seu comentário. E siga acompanhando tudo o que é publicado por meio do Google Notícias, Mastodon, Twitter, Facebook, Pinterest, TikTok, Instagram, LinkedIn e YouTube.



Siga nas redes sociais

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais