Hubble explora porção da Pequena Nuvem de Magalhães

Pequena Nuvem de Magalhães é uma galáxia anã e uma das vizinhas mais próximas da Via Láctea, situada a apenas cerca de 200 mil anos-luz da Terra.

Uma pequena porção da Pequena Nuvem de Magalhães é retratada nesta imagem do telescópio espacial Hubble. A Pequena Nuvem de Magalhães é uma galáxia anã e uma das vizinhas mais próximas da Via Láctea, situada a apenas cerca de 200 mil anos-luz da Terra. Faz um par com a Grande Nuvem de Magalhães, e ambos os objetos podem ser vistos do hemisfério sul, bem como de algumas latitudes do norte.

A Pequena Nuvem de Magalhães contém centenas de milhões de estrelas, mas esta imagem foca apenas uma pequena fração delas. Essas estrelas compreendem o aglomerado aberto NGC 376, que tem uma massa total de apenas cerca de 3,4 mil vezes a do Sol. Aglomerados abertos, como o nome sugere, são frouxamente ligados e esparsamente populados. Isso distingue os aglomerados abertos dos aglomerados globulares , que geralmente estão tão repletos de estrelas que apresentam um borrão contínuo de luz estelar em seus centros. No caso de NGC 376, as estrelas individuais podem ser claramente identificadas mesmo nas partes mais densamente povoadas da imagem.

Um grande número de estrelas brilhantes, cada uma com uma forma de cruz que se estende a partir do seu centro. No centro há uma densa coleção de estrelas em primeiro plano. Cinco são laranjas e o restante são azuis. O fundo preto é preenchido com pequenas estrelas - a maioria delas, porém, maiores que um único ponto.
Hubble explora porção da Pequena Nuvem de Magalhães
ESA/Hubble & Nasa, A. Nota, G. De Marchi

Os dados nesta imagem vêm de duas investigações astronômicas diferentes que contaram com dois instrumentos do Hubble: a Wide Field Camera 3 (WFC3) e a Advanced Camera for Surveys (ACS). A primeira investigação usou o ACS para explorar um punhado de aglomerados estelares na Pequena Nuvem de Magalhães e ajudar os astrônomos a explorar tópicos como a abundância de estrelas de baixa e alta massa em diferentes ambientes. A segunda investigação usou o WFC3 e o ACS e teve como objetivo responder a perguntas fundamentais sobre a vida das estrelas e ajudar os astrônomos a entender precisamente onde, quando, por que e como as estrelas se formam.

Gostou do conteúdo do Blog do Maurício Araya? Leia outros destaques do blog. Contribua com o debate: deixe seu comentário. E siga acompanhando tudo o que é publicado por meio do Google Notícias, Mastodon, Twitter, Facebook, Pinterest, TikTok, Instagram, LinkedIn e YouTube.



Siga nas redes sociais

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais