A importância das salas de cinema no desempenho das plataformas streaming

Este é um artigo de opinião escrito por um autor convidado; o texto não necessariamente reflete a opinião do Blog do Maurício Araya

A magia da experiência proporcionada pela exibição de filmes em salas de cinema continua insuperável, revela levantamento divulgado pela NATO (National Association of Theatre Owners), organização que representa; exibidores cinematográficos em 101 países ao redor do mundo. De acordo com a entidade, mesmo com todos os investimentos para atrair consumidores para as plataformas streaming, o público prefere investir mais nas produções que estreiam primeiro e exclusivamente nos cinemas.

Não significa, entretanto, que isso seja uma competição por audiência. Após experimentar a liberação simultânea nas duas plataformas, motivada pela paralisação provocada pela pandemia do coronavírus (covid-19), o mercado de distribuidores chegou a conclusão de que um lançamentos exclusivos em salas de cinema valorizam o desempenho do streaming. Ou seja, a tese de que o desenvolvimento de um segmento prejudica o outro torna-se insustentável.

A importância das salas de cinema no desempenho das plataformas streaming
A importância das salas de cinema no desempenho das plataformas streaming
Cottonbro Studio/Pexels

A diretora de programação da Paramount+, Tanya Giles, observa, por exemplo, que o lançamento exclusivo nas salas de cinema de produções como Maverick beneficiou o serviço de streaming, pois a empresa encontrou maneiras de envolver os assinantes quando o filme estava em cartaz. No período, o interesse pelo original Top Gun cresceu 500% no streaming. O mesmo aconteceu com os originais de outras obras como Sonic 2 e Jackass Forever. O CEO da Warner, David Zaslav, apresenta outro resultado interessante: “Um filme que abre com janela exclusiva no cinema performa 5 vezes mais do que aquele que vai direto pro streaming"

A NATO apresenta os resultados de estudo feito pela National Research Group (NRG) que apontam as experiências das duas plataformas como diferentes e complementares. O público considera que, nas salas de cinema, vivenciam uma experiência que não conseguem em nenhum outro lugar, um evento memorável e uma diversão em comunidade e com amigos. Por outro lado, o streaming utilizado em casa é uma forma de relaxar ou desconectar-se do estresse.

A conclusão que chegamos é de que qualquer estúdio com um serviço de streaming que busque gerar receita, audiência e satisfação para o público deve aumentar a disponibilidade de títulos com lançamentos exclusivos significativos nas salas de cinema.

Artigo escrito por Marcos Barros, presidente da Associação Brasileira das Empresas Exibidoras Cinematográficas Operadoras de Multiplex (Abraplex)

Gostou do conteúdo do Blog do Maurício Araya? Leia outros destaques do blog. Contribua com o debate: deixe seu comentário. E siga acompanhando tudo o que é publicado por meio do Google Notícias, Mastodon, Twitter, Facebook, Pinterest, TikTok, Instagram, LinkedIn e YouTube.



Siga nas redes sociais

Sobre o autor: Jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e G1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais