Siga os canais do Blog do Maurício Araya

OAB reforça combate do exercício irregular da advocacia

Além de crime, exercício ilegal da profissão prejudica funcionamento regular do Poder Judiciário e os cidadãos, já que atos são considerados nulos.

Levantamento realizado pela Coordenação Nacional de Fiscalização (CNF) da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) revelou que 16% do total das denúncias de infrações recebidas pelo órgão estão relacionadas ao exercício irregular da advocacia. A CNF emitiu 112 notificações e recomendou cerca de 103 ajuizamentos de ações para que os envolvidos cessem as atividades irregulares.

A profissão de advogado é privativa, e só pode ser exercida por quem possuir registro perante os quadros da OAB, no Estado em que reside o profissional, que também pode ter inscrição suplementar em outros Estados onde tem mais de 5 ações judiciais em trâmite. Além de ser formado em Direito, a condição para obter o registro profissional requer o cumprimento dos demais requisitos legais: passar no Exame de Ordem, prestar seu compromisso perante a entidade e cumprir suas obrigações estatutárias.

OAB reforça combate do exercício irregular da advocacia
OAB reforça combate do exercício irregular da advocacia
Sora Shimazaki/Pexels

O Estatuto da OAB (Lei nº 8.906/94) prevê que são atividades privativas da advocacia a postulação em órgão do Poder Judiciário aos juizados especiais, além das atividades de consultoria, assessoria e direção jurídicas. Também estão previstos os atos e contratos constitutivos de pessoas jurídicas, sob pena de nulidade, que só podem ser admitidos a registro, nos órgãos competentes, quando visados por advogado.

O exercício ilegal da profissão prejudica o regular funcionamento do Poder Judiciário e principalmente o cidadão, já que os atos praticados pelo falso profissional ou por empresas que oferecem serviços privativos da advocacia são considerados nulos. Entram neste rol também os advogados impedidos, que são aqueles que se encontram com seu registro suspenso, que esteja licenciado ou que passe a exercer atividade incompatível com a advocacia.

Quando a sociedade usufrui de serviços advocatícios prestados por pessoa não habilitada, o risco de ter seu direito não protegido é exponencialmente aumentado. Por isso, é fundamental estar atento e verificar sempre a regularidade do profissional antes de confiar a ele a defesa de seus interesses. A Ordem está vigilante e atuando incansavelmente por meio da Coordenação Nacional de Fiscalização para coibir e punir a atuação de advogados e empresas que não estejam em conformidade com as normas éticas e profissionais da advocacia

Beto Simonetti, presidente da OAB Nacional

Denúncia é fundamental

O exercício ilegal da advocacia é contravenção penal prevista em lei, passível de propositura de Ação Civil Pública. Conforme o Artigo nº 47 do Decreto-Lei nº 3.688 de 1941 (Lei das Contravenções Penais), "exercer profissão ou atividade econômica ou anunciar que a exerce, sem preencher as condições a que por lei está subordinado o seu exercício", com pena prevista de prisão simples, de 15 dias a 3 meses, ou multa.

Constatada a fraude, a vítima poderá procurar a seccional da OAB mais próxima, ou acessar os canais de atendimento à distância para noticiar eventual prática de exercício ilegal da atividade da advocacia. A denúncia pode ser feita, ainda, pela internet, ou via aplicativo Fiscalização OAB, disponível para iOS e Android.

Advocacia regular: como identificar

Criado com o intuito de criar mais segurança e transparência à população e demais órgãos do sistema Judiciário brasileiro, o Cadastro Nacional dos Advogados (CNA) é um banco de dados fornecido pelo próprio Conselho Federal da OAB que contém informações de todos os advogados e estagiários atuantes no país, como nome ou número de inscrição do profissional a que se pretende consultar.

A OAB, por meio da CNF, tem buscado mecanismos de combate ao exercício ilegal da profissão. É importante que a sociedade de um modo geral, antes de contratar serviços advocatícios, busque informações junto à OAB e ao CNA, para ter certeza se o profissional atua legalmente, para evitar possíveis prejuízos.

Com informações da OAB/Novo Selo Comunicação

Blog do Maurício Araya

Gostou do conteúdo do Blog do Maurício Araya? Leia outros destaques. Contribua com o debate, deixe seu comentário.

Siga as atualizações por meio dos canais no WhatsApp e Telegram; Google Notícias; e perfis nas redes sociais Threads, Bluesky, Mastodon, Tumblr, Facebook, Instagram, Pinterest e LinkedIn.

Sobre o autor: Maurício Araya é jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e g1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais

Comente o conteúdo