Siga os canais do Blog do Maurício Araya

Webb captura, em detalhes, beleza da Nebulosa do Anel

M57 ou NGC 6720, como também é conhecida, está ‘perto’ de nós, a cerca de 2,5 mil anos-luz de distância; é um dos objetos mais notáveis do Universo.

O telescópio espacial James Webb observou a conhecida Nebulosa do Anel com detalhes sem precedentes. Formada por uma estrela perdendo suas camadas externas à medida que fica sem combustível, a Nebulosa do Anel é uma nebulosa planetária arquetípica. O objeto também é conhecido como M57 e NGC 6720, e está relativamente próximo da Terra, a cerca de 2,5 mil anos-luz de distância.

As novas imagens fornecem resolução espacial e sensibilidade espectral sem precedentes, que também revelam detalhes únicos em ambas as observações infravermelhas: a nova imagem revela a estrutura do filamento do anel interno e as características concêntricas nas regiões externas do anel da nebulosa.

Webb captura, em detalhes, beleza da Nebulosa do Anel: M57 ou NGC 6720, como também é conhecida, está relativamente perto de nós, a cerca de 2,5 mil anos-luz de distância; é um dos objetos mais notáveis do Universo
M57 ou NGC 6720, como também é conhecida, está relativamente perto de nós, a cerca de 2,5 mil anos-luz de distância; é um dos objetos mais notáveis do Universo - veja em alta qualidade
ESA/Webb, Nasa, CSA, M. Barlow, N. Cox, R. Wesson

A nebulosa tem a forma de um 'donut' (rosca) distorcido. Estamos olhando quase diretamente para um dos polos desta estrutura, com um barril de material colorido se estendendo para longe de nós. Embora o centro desse 'donut' possa parecer vazio, na verdade ele está cheio de material de baixa densidade que se estende tanto na nossa direção quanto para longe de nós, criando uma forma semelhante a uma bola de rúgbi encaixada no espaço central do 'donut'.

O colorido anel principal é composto de gás lançado por uma estrela moribunda no centro da nebulosa. Esta estrela está a caminho de se tornar uma anã branca - um corpo muito pequeno, denso e quente que é o estágio evolutivo final de uma estrela como o Sol.

A Nebulosa do Anel é um dos objetos mais notáveis ​​em nossos céus. Foi descoberto em 1779 pelos astrônomos Antoine Darquier de Pellepoix e Charles Messier, e foi adicionado ao Catálogo Messier. Ambos os astrônomos se depararam com a nebulosa ao tentar seguir o caminho de um cometa pela constelação de Lyra, passando muito perto da Nebulosa do Anel.

Blog do Maurício Araya

Gostou do conteúdo do Blog do Maurício Araya? Leia outros destaques. Contribua com o debate, deixe seu comentário.

Siga as atualizações por meio dos canais no WhatsApp e Telegram; Google Notícias; e perfis nas redes sociais Threads, Bluesky, Mastodon, Tumblr, Facebook, Instagram, Pinterest e LinkedIn.

Sobre o autor: Maurício Araya é jornalista profissional (DRT-MA nº 1.139), com ênfase em produção de conteúdo para Web, edição de fotos e vídeos e desenvolvimento de infográficos; com passagem pelas redações do Imirante.com e g1 no Maranhão; e vencedor, por dois anos (2014 e 2015), da etapa estadual do Prêmio Sebrae de Jornalismo, na categoria Webjornalismo. Saiba mais

Comente o conteúdo